KURT COBAIN  (1967-1994)

 

 

 

 

 

"A única coisa que me reconcilia com o mundo é dormir. Adoro dormir, considero-o um dos poucos prazeres da vida. Às vezes, adormeço enquanto como ou se me encontro numa situação aborrecida, o que me acontece frequentemente... Preferia viver num eterno estado de coma, acordando só quando tenho que entrar em palco para tocar, mais do que enfrentar o incrível tédio existente nas relações sociais, especialmente nas do meio musical... Sinto há muitos anos que não tenho mais nada para dizer e as conversas de chacha aborrecem-me de morte; é muito melhor dormir e acordar só quando vale realmente a pena."

 

 

 "A maior parte das letras das minhas canções não fazem sentido porque tirei linhas de diferentes poemas e juntei-as."

 

 

"Os Nirvana não se dirigem à gente de plástico que vive em Beverly Hills ou ao rebanho de jovens carneiros que pasta dentro dos Mc Donalds: nós queremos falar com pessoas verdadeiras e vivas, queremos ter como interlocutores indivíduos autênticos às voltas com a realidade quotidiana. Por isso, é natural que, nas nossas canções estejam presentes temáticas ligadas à vida, como, por exemplo, o uso de drogas, os problemas das mulheres ou a questão gay: quer dizer, os verdadeiros problemas da gente verdadeira, os problemas que nós próprios enfrentamos, as questões com as quais nós próprios temos que lidar."

 

 

"Em si, o facto de ser um homem não é uma coisa má, talvez o problema seja quando estes se tornam machos. [...] um homem sensato não existe e, se existisse, seria de certeza uma mulher; a demonstração mais evidente disso é que as guerras são declaradas sempre por homens e a combatê-las são quase somente eles: as mulheres são decididamente menos violentas e, se estivesse nas mãos delas o poder de desencadear uma guerra, o mundo seria de certeza um lugar muito mais pacífico."

 

 

 

 

-   Manuel Marques  2003   -